Como será o inverno deste ano?


O outono está chegando ao seu final. A partir de amanhã, mais precisamente às 20h09, começa a estação mais agradável e esperada no ano na minha opinião, após uma estação de transição um tanto atípica. Aqui na Grande Vitória, onde moro, abril foi um mês bem mais quente que o normal (com direito a registrar a maior temperatura do ano no dia 06/04: 35ºC), maio foi um mês bem mais chuvoso (257 mm contra os 81 mm previstos) e com tardes mais frescas que o normal e até agora junho está sendo um mês relativamente quente em relação ao que normalmente ocorre. Mas o que nós podemos esperar do inverno? O Climatempo preparou um resumo do que pode vir, bem como uma tabela explicando o que se espera das chuvas e da temperatura em cada região do país:

JULHO

O mês de julho apresenta pouca chuva em toda a Região Central do Brasil, o que é bastante comum nesta época do ano. A umidade relativa do ar atinge baixos valores em Mato Grosso, em Goiás e no Piauí e há risco de queimadas.

Na Região Sul, em São Paulo e em Mato Grosso do Sul a chuva diminui com relação a junho.

O mês começa frio, mas logo esquenta. Uma massa de ar frio causa declínio acentuado de temperatura na maior parte do País, e até no Acre que terá o fenômeno da friagem no fim do mês, com geada e neve nas regiões serranas de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

AGOSTO

Em agosto a maioria das frentes frias atua apenas no Sul do Brasil. Apenas dois sistemas chegam ao Sudeste, nos primeiros e nos últimos dias do mês. As frentes frias e seus ciclones extratropicais associados devem provocar bastante chuva no Rio Grande do Sul.

As “Ondas de Leste”, fenômeno comum no Nordeste nesta época do ano, provocam chuva significativa no leste da Paraíba, em Alagoas e em Sergipe.

Não é época de chuva no Sudeste e o total acumulado fica entre normal e abaixo da média. Só há previsão de frio significativo no Sudeste e no Centro-Oeste apenas no fim do mês.

SETEMBRO

Sistema de alta pressão predomina na primeira quinzena do mês e dificulta a formação de nuvens de chuva. Região Centro-Oeste registra baixos índices de umidade.

As frentes frias são fracas. Na segunda quinzena três sistemas chegam ao Sudeste.

As massas polares já não são mais intensas o suficiente para provocar resfriamento significativo.

Chove mais que o normal no Paraná com a permanência de frentes frias.


Por sinal, se em 2011 quem gosta de frio (como eu) não pôde reclamar, uma vez que entre junho e setembro foram poucos os dias que fizeram calor, em 2012 o inverno promete ser menos frio para os capixabas. Se bem que apesar das mínimas terem ficado em geral abaixo da média, as máximas no inverno passado ficaram entre normal e 1ºC acima. Só para fins de comparação, deixarei os valores esperados das mínimas e máximas entre junho e setembro e os ocorridos no ano passado, bem como o valor até agora registrado neste mês:


Junho: 20-27
Julho: 19-26
Agosto: 19-27
Setembro: 20-27


Junho: 18-27
Julho: 17-27
Agosto: 18-28
Setembro: 18-27


Dados de máximas e mínimas: Tempo Agora e Incaper

Enfim, é esperar pra ver como será este inverno e se de fato as previsões dos meteorologistas irão acertar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou