Direita declara vitória em eleição na Grécia e propõe governo de união


O partido de direita Nova Democracia, a favor da permanência do país na zona do euro, se declarou vencedor das eleições legislativas deste domingo (17) na Grécia, após projeções do governo apontarem a maioria, e propôs ao socialista Pasok um "governo de união nacional" para sair da crise econômica.

Segundo projeções do ministério do Interior baseadas em 18% dos votos apurados, a Nova Democracia obteve 29,5% dos votos, o que lhe garante 128 das 300 cadeiras do Parlamento, contra 27,1% para a esquerda radical Syriza (72 cadeiras). Os socialistas do Pasok aparecem na terceira posição, com 12,3% dos votos (33 cadeiras).

Antonis Samaras, dirigente do Nova Democracia, se proclamou vencedor e convidou as formações europeístas a formar um Executivo de salvação nacional. "O povo heleno votou hoje pela permanência do país na eurozona e a favor das forças políticas que trarão desenvolvimento e emprego", declarou à imprensa o dirigente conservador. 

Pouco tempo depois, o chefe do partido da esquerda radical Syriza, Alexis Tsipras, reconheceu a derrota nas eleições legislativas.

A Nova Democracia afirma ser o "fiador" da permanência da Grécia na zona do euro, mas quer "renegociar" o memorando do plano de ajuste acertado com União Europeia (UE), Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

O memorando permitiu ao país obter um socorro financeiro para evitar a falência.

Repercussão

O ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, reagiu aos resultados afirmando que seu país está disposto a discutir os prazos necessários para a aplicação das reformas na Grécia.

"Não deve haver mudança substancial nos compromissos" assumidos pela Grécia com seu programa de reformas, mas "posso imaginar, sem problemas, uma negociação sobre novos prazos".

Para justificar esta flexibilidade, o ministro destacou que a Grécia viveu "uma paralisia política nas últimas semanas devido às eleições". "Os cidadãos comuns não podem ser punidos, especialmente porque já suportaram cortes drásticos".

"Estamos dispostos a assumir a solidariedade na Europa, mas não podemos aceitar a anulação dos compromissos assumidos".

Até o momento, Berlim se manteve inflexível sobre o programa de reformas negociado por Atenas com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) em troca do socorro financeiro, tanto em relação ao conteúdo quanto aos prazos decretados.

As eleições deste domingo foram polarizadas entre a Nova Democracia, cujo líder Antonis Samaras promete "sair da crise, mas não do euro", e a esquerda radical Syriza, de Alexis Tsipras, que exige a renegociação do pacto de austeridade, após defender seu abandono total.

Fonte: G1

NOTA: Apesar de tudo parecer apontar para um acordo que salve a Grécia do pior (embora vejo a falência como mera questão de tempo), vejo com receio essa possibilidade de se formar um governo de coalizão, uma vez que a esquerda radical (Syriza) foi a segunda mais votada, o que implica que o Nova Democracia precise talvez de apoio de alguns membros desse para se formar um governo, e se não conseguisse a Syriza passaria a ter tal objetivo, o que por razões óbvias, teria chances altíssimas de não dar certo. Se bem que o Tsipras resolveu mostrar uma posição um pouco mais moderada sobre as medidas de austeridade, até porque sabe que um agravamento da crise grega pode levar ao início do "desmonte do euro", o que agravaria ainda mais a crise econômica iniciada em 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva