Eleições 2012 em Vitória: primeiras impressões

Boa noite pessoal. Há pouco cheguei em casa, de volta da I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional, ocorrida lá na UFES. Entre os palestrantes teve alguns membros ligados a alguns órgãos e ministérios do governo federal e secretários do governo estadual (em uma das mesas que participei estava nada mais nada menos que o Secretário de Transportes e Obras Públicas, Fábio Damasceno). Algumas discussões foram boas, outras nem tanto e outras, pior ainda, só serviram para os caras "venderem o peixe" de quem eles "representam". Mas enfim, como o assunto do post de hoje não é esse, deixarei alguns pontos dessa conferência que eu assisti para outra oportunidade. Irei falar de minhas primeiras sobre a campanha eleitoral (dos candidatos a vereador e prefeito) que é veiculada na televisão há uma semana.

Em geral, não só em Vitória, como em todas as cidades (inclusive a que eu moro, Cariacica), o que se vê é uma campanha sem aquela mesma exuberância das anteriores. Talvez pela crise econômica ainda em andamento (e longe de um fim a curto prazo), talvez pelo clima de "enterro" gerado pelas possíveis (na verdade, certeiras) perdas que virão com a redistribuição dos royalties do petróleo e o fim do FUNDAP, talvez ainda pelo fato da população não estar com a mesma animação de votar em relação aos certames anteriores. Enfim, só suposições. Mesmo assim alguns candidatos "bizarros" apareceram por lá, com seus trajes, trejeitos e frases de efeito ora conhecidas, ora repaginadas, ora novas mesmo. Mas hoje me atentarei aos candidatos a prefeito de nossa capital. Vamos lá:

1 - Luiz Paulo (PSDB - 45)


Prefeito de Vitória de 1997 a 2004 e eleito deputado federal em 2006, Luiz Paulo pretende voltar ao comando da capital. Pra isso resolveu fazer uma campanha eleitoral bem colorida e "cheia de vida" (um dos slogans de campanha). Só não precisava forçar tanto parecendo que é uma "novidade" nem se valer tanto de crianças para suas propagandas (o que é uma pieguice em qualquer campanha política, a meu ver). Alguém que de um certo modo mostrou que fez uma boa gestão não precisa valer de coisas como essa, né LP? Mas enfim, exageros e dramas a parte, não parece difícil ele levar essa eleição com folga, no primeiro turno. Não parece...

2 - Luciano Rezende (PPS - 23)


Mais uma vez ele resolveu se candidatar a prefeito de Vitória, e ele veio com propostas interessantes para mudar a cidade...Oh, pera! Não lembro de quase nenhuma ideia dele que tenha sido muito diferente das ideias que o LP tinha quando foi candidato. E não é pra menos, já foi secretário na época que o tucano governava a capital, talvez(!) isso explique o porque das semelhanças entre ele e o lider nas pesquisas eleitorais. Enfim, a impressão que se tem é que ele não passa de um mero "tampão" na campanha entre Luiz Paulo e Iriny Lopes. E diga-se de passagem, se ele for para um segundo turno com esse, vai ser a disputa mais sonolenta que a cidade presépio assistirá em todos os tempos (tipo um Chalsea vs. Corinthians numa possível final do Mundial de Clubes da FIFA). Que dó, que dó...

3 - Iriny Lopes (PT - 13)


Pelo jeito, maldita hora que ela resolveu ser candidata à prefeita viu. Não que ela seja uma incompetente completa (apesar de que na minha opinião) não é a melhor pessoa em termos de gestão para comandar a capital do Espírito Santo. Para começo de conversa a gestão de João Coser, "cumpanhêro" de partido de Iriny, não ajuda nem um pouco a alavancar seu desempenho nas pesquisas eleitorais. Nem vou delongar muito, mas após uma gestão que ficou marcada pelo descontrole nos gastos com as obras "faraônicas" (Tancredão que triplicou de preço, quiosques em Camburi em que se demorou uma renca de tempo para decidir no final que custou R$420 mil e que só o banheiro custou módicos R$90 mil, as estranhas desapropriações, entre outros), por uma tentativa de quase dobrar o IPTU de um ano para outro e de conseguir endividar uma prefeitura que batia recordes em arrecadação de impostos...Isso sem contar o mitológico metrô de superfície, prometido nas duas campanhas do sujeito, não saído nem da fase de projeto (se de fato tal projeto existiu) e finalmente ignorado solenemente pelo governo estadual, do qual ele se gabava de ser "amiguinho". Enfim, motivos mais que suficientes para o povo não querer que o PT continue dando as cartas na capital. Mas como se isso não fosse o bastante, ela não se ajuda. Podendo usar a oportunidade que tem para mostrar que tem o mínimo a ver possível com JC, resolve falar das "façanhas" e da revolução que o "PT way of life" trouxe à capital e se gaba até de uma participação bem apagada na Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres até o início deste ano. E agora que o ACM capixaba (leia-se Paulo Hartung) resolveu apoiar o Luiz Paulo, aí que as chances de um segundo turno vão para o limbo. Enfim, só um milagre para ela se tornar prefeita. Mas milagres podem acontecer...

4 - Gustavo de Biase (PSOL - 50)


Jovem, cheio de energia e defensor das causas sociais. Essa foi a aposta do PSOL para concorrer à Prefeitura de Vitória. Mas pesa contra ele o fato de não ter nenhuma experiência política nem em algo que demonstre conhecimento técnico de gestão e a desastrada condução dos protestos contra o aumento de passagem que ocorreram no ano passado e neste ano (aliás, fatos que ele tentou sair da tangente na entrevista feita no ES TV segunda edição). Para piorar, no pouco tempo que ele tem para fazer suas propostas na telinha, a maior parte é para Jean Wyllys, Professor Renato e Brice Bragato falarem apenas "vote em Gustavo de Biase, pois ele tem coragem para mudar". Já o candidato, coitado, resta a ele uns vinte e poucos segundos...Desse jeito não dá né?

5 - Edson Ribeiro (PSDC - 27) e Montalvani (PRTB - 28)



Decidi colocar os dois num tópico só até porque são figurantes na campanha eleitoral. Talvez a única utilidade deles neste momento seria dar um pouco mais de racionalidade nos debates eleitorais. Ou não...

Enfim, concorda ou discorda das primeiras impressões? Comente isso no blog ou na página oficial do Minuto Produtivo no Facebook.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva