Aleatórias parte II: do desespero petista à classe média de menos de meio salário mínimo

Como prometido, hoje finalizo às aleatórias, saindo um pouco (mas só um pouco, como vocês verão pela frente) da temática eleitoral. Eis alguns assuntos que merecem ser comentados:

6 - O Mensalão e o desespero petista...Já é o efeito do primeiro revés eleitoral?

Desde o mês de agosto, o país acompanha o julgamento do maior escândalo de corrupção da história do Brasil República: o Mensalão. Até agora as reações dos partidos cujos políticos estavam envolvidos nesta tramoia toda (especialmente o PT) eram em sua maioria isoladas. Mas agora que os nomes dos figurões envolvidos no esquema mais importantes (alguns ligados direta ou indiretamente ao ex-presidente Lula) começam a passar pelo crivo dos ministros do Supremo Tribunal Federal, o clima começa a esquentar. Mas na quinta-feira, a fúria dos partidos que estão no governo se escancarou a partir de um anúncio dos partidos de oposição de que iriam solicitar ao Ministério Público investigação sobre um possível envolvimento do ex-presidente no esquema. Transcreverei a nota para vocês, extraída do próprio site do partido:

"O PT, PSB, PMDB, PCdoB, PDT e PRB, representados pelos seus presidentes nacionais, repudiam de forma veemente a ação de dirigentes do PSDB, DEM e PPS que, em nota, tentaram comprometer a honra e a dignidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Valendo-se de fantasiosa matéria veiculada pela Revista Veja, pretendem transformar em verdade o amontoado de invencionices colecionado a partir de fontes sem identificação.

As forças conservadoras revelam-se dispostas a qualquer aventura. Não hesitam em recorrer a práticas golpistas, à calúnia e à difamação, à denúncia sem prova.

O gesto é fruto do desespero diante das derrotas seguidamente infligidas a eles pelo eleitorado brasileiro. Impotentes, tentam fazer política à margem do processo eleitoral, base e fundamento da democracia representativa, que não hesitam em golpear sempre que seus interesses são contrariados.

Assim foi em 1954, quando inventaram um “mar de lama” para afastar Getúlio Vargas. Assim foi em 1964, quando derrubaram Jango para levar o País a 21 anos de ditadura. O que querem agora é barrar e reverter o processo de mudanças iniciado por Lula, que colocou o Brasil na rota do desenvolvimento com distribuição de renda, incorporando à cidadania milhões de brasileiros marginalizados, e buscou inserção soberana na cena global, após anos de submissão a interesses externos.

Os partidos da oposição tentam apenas confundir a opinião pública. Quando pressionam a mais alta Corte do País, o STF, estão preocupados em fazer da ação penal 470 um julgamento político, para golpear a democracia e reverter as conquistas que marcaram a gestão do presidente Lula .

A mesquinharia será, mais uma vez, rejeitada pelo povo.[...]"

Pois bem, o absurdo da nota dos partidos de base aliada começa com a alegação de que a oposição esteja "tramando um golpe". A propósito, em relação a maioria dos países europeus, EUA e da maioria das democracias existentes na América Latina (repito: democracias, não dos regimes superpresidenciais de Kirchner, Morales, Correa e Chávez), a nossa "oposição" está entre as mais comedidas e bem-comportadas, por sinal. Obama, Rajoy, Hollande, Cameron, Monti, Samaras e Merkel, entre outros líderes dos países desenvolvidos que ainda estão debelando os efeitos da crise econômica mundial adorariam ter uma oposição "golpista" como a nossa. No caso do democrata norte-americano, por uma questão muito mais pontual (elevação do teto da dívida), a oposição republicana quase levou a maior potência do planeta a um calote histórico.

Quanto à pressão da oposição ao STF, mais um nonsense apresentado na nota. Vale lembrar que dos dez ministros da mais alta corte judicial do país, sete foram nomeados durante os dez anos de governo petista no país. Tudo bem, ministro do Supremo não é um cargo de confiança (diferente do que Lula e muitos figurões petistas pensam), mas o fato é que falar em golpe arquitetado por uma oposição bem mais fraca que a existente nos oito anos de gestão tucana no país tendo como vetor uma corte com ministros majoritariamente nomeados por Lula e Dilma beira o descabimento...A não ser que eles tenham uma ânsia suicida, claro.

Sobre a "rejeição popular": pois bem, o PT caminha para o seu primeiro (e/ou maior) revés eleitoral desde que chegou ao poder há dez anos. Mesmo em São Paulo, onde se tem como candidatos um desgastado Serra, um excêntrico Russomanno e o restante do cenário composto por figurantes, o candidato preferido do Lula, Fernando Haddad, aquele que não conseguiu organizar uma edição do ENEM sem ter falhas primárias, não emplacou. E ao que tudo indica, não chegará nem ao segundo turno. Enfim, a nota é o resultado de que pela primeira vez as coisas não correram conforme o planejado. Mas faz parte do jogo.

A propósito, a nota acabou causando desconforto entre os próprios partidos da base governista. Confira na matéria de ontem no site do Estadão.

7 - A primavera árabe: ao invés de caminhar para o verão da democracia...

Parece que vai caminhar para o rigoroso inverno das teocracias. Na verdade sempre fui um tanto cético a respeito da onda de protestos que varreu boa parte do mundo árabe e que imprensa, governos e as pessoas mais "engajadas" e "conscientes socialmente" no mundo ocidental pintaram como "modelo" de revolução para aqui (inclusive o Ocupe Wall Street é inspirado nessa "luta por direitos" de lá). Pois é, o tempo vai passando e ao que tudo indica, a democracia, se chegar por lá de fato, será uma das últimas coisas que chegará. Diga-se de passagem, o tratamento dado ao filme recém-divulgado na Internet que satiriza o profeta Maomé (um dia pretendo assistir até, se quiser) no mundo muçulmano, inclusive nos países que aderiram a essa "revolução" não me deixa mentir.

Em tempo: não vejo como algo saudável satirizar elementos de qualquer religião, seja cristã, muçulmana, budista ou qualquer outra, independente se isso parte ou não de um indivíduo religioso ou que não acredita em nenhuma divindade ou ser superior, afinal a religião não deixa de ser um aspecto inerente a individualidade da pessoa, e desrespeitá-la não deixa de ser uma interferência desrespeitosa a individualidade desta. Mas a reação explosiva resultante disso é prova a avaliação do mundo ocidental quanto a uma possível guinada do mundo árabe para a democracia foi no mínimo precipitada.

Ah, só lembrando: os muçulmanos no mundo ocidental gozam de uma liberdade religiosa que o norte de África e o Oriente ainda não sonharam em ter. O que ainda consegue chegar perto disso é a Turquia, e olhe lá.

8 - A classe média que ganha menos de meio salário mínimo

Na semana passada outra notícia que chamou a atenção foi o fato de que a classe média ganhou 35 milhões de integrantes nos últimos dez anos, tornando-se maioria da população brasileira. Outro avanço foi que 80% desses novos integrantes da classe média são negros. Até aí, nada de mas, mas a cereja do bolo vem logo a seguir (transcrição do link original da notícia):

"A Secretaria de Assuntos Estratégicos considera classe média famílias "com baixa probabilidade de passarem a ser pobres no futuro próximo", com renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019 por mês."

Sim, você não leu errado. Se você ganha sozinho menos de meio salário mínimo por mês, desde que não tenha a chance de ganhar menos do que isso tão cedo, comemore, você é um felizardo membro da classe média! Sim, você, monitor, bolsista de iniciação científica ou mesmo estagiário pode pensar logo no churrasco porque já tem uma pequena fortuna nas mãos! E eu sonhando que só chegaria a esse patamar depois de formado e com um bom emprego após prestar um bom concurso público...

Por hoje é só pessoal. Boa noite a todos os leitores do MP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva