Ufanismo acima da lógica e dos fatos - II: Brahma no mundo da imaginação

No início do mês eu havia feito um post comentando sobre a onda de ufanismo iniciada com o pronunciamento de Dilma Rousseff feito na véspera do feriado de 7 de Setembro e finalizada com a "façanha" da Seleção Brasileira de golear a China. Pois bem, apareceu uma atualização de um amigo meu no Facebook e resolvi conferir. Era um recente (na verdade não tão recente, já está em circulação há uma semana) vídeo lançado pela Brahma sobre a Copa de 2014. Antes de começar de fato o post do dia, confiram:


Bem, pra começo de conversa, o descabimento desse vídeo na comparação entre a Copa do Mundo e eventos como o Reveillon e o Carnaval. Tudo bem, essas duas últimas festas são eventos de grande proporção, atraem muita gente e pra quem curte, não deixa de ser um espetáculo. Mas não faz o menor sentido comparar eventos que ocorrem todo ano e de um certo modo possuem visibilidade no máximo nacional (tudo bem, nosso carnaval tem alcance lá fora também, eu admito) com um evento que ocorre a cada quatro anos (e sediá-lo novamente, caso ocorra, pode demorar décadas) e que durante praticamente um mês o mundo inteiro para ou fica meio que letárgico para ficar de olho nos jogos e nos bastidores do mesmo. Ou seja, a responsabilidade e o grau de organização necessários para sediar uma Copa do Mundo (o mesmo vale para as Olimpíadas, que também serão em terras tupiniquins) é indiscutivelmente maiores. O dinheiro envolvido e investido em eventos como esse nem se fala. Beira a ignorância colocar num mesmo balaio eventos com características completamente diferentes.

Sobre a questão da infraestrutura relatada no comercial, não é questão de pessimismo e sim de FATOS. E quem quiser pode conferir AQUI e AQUI para ver que os "pessimistas" tem uma certa razão. Os aeroportos das cidades-sede do Mundial estão operando acima da capacidade e bem mais da metade deles estão com as obras inacabadas, conforme as matérias do G1 presentes nos links acima. Pessimismo? Sobre a mobilidade urbana, nenhuma das obras nessa área foram concluídas. Ou nem começaram, ou estão em andamento. Pessimismo?

Antes que os "patriotas" comecem a me apedrejar por isso, não, não estou duvidando da capacidade do Brasil de fazer uma boa Copa. Não estou duvidando de que antes do evento-teste (Copa das Confederações, já no ano que vem) pelo menos uma parcela razoável das obras que estão sendo feitas em função do evento estarão concluídas. Só acho uma tentativa descarada de alienação querer enxergar alguma normalidade em nossa deficiente infraestrutura e pior, querer fazer acreditar que os turistas que virão para cá em 2014 baterão palmas para tudo e acharão tudo bonito, mesmo se os recebermos com puxadinhos. Nada mais ingênuo.

E se o futebol apresentado pela Seleção Brasileira, ainda comandada pelo boçal bundão técnico Mano Menezes ao menos compensasse esse "pessimismo" todo...Mas não compensa. A "renovação" proposta pelo atual treinador não surtiu até agora o efeito esperado. Salvo alguns outliers não conseguimos vencer seleções de ponta e sofremos para ganhar de seleções consideradas fracas ou medianas (como disse antes, o massacre sobre a "incrível" seleção chinesa não passa de um outlier). E não, não me venha falar sobre o Superclássico das Américas, no qual a seleção semi-A do Brasil (já que hoje mesmo com atletas que jogam na Europa a maioria bate bola por aqui mesmo) joga com a seleção B da Argentina (vale lembrar que os melhores jogadores do nosso vizinho jogam no velho continente). Lembrando ainda que nos confrontos das "seleções A" dos dois países, levamos a pior.

E eu poderia falar de outras coisas que fazem os "pessimistas" terem razão, como o futuro da maioria dos estádios construídos para a Copa, que se não pensarem em transformá-los em arenas multiuso como é hoje por exemplo o Stade de France (os brasileiros não tem boa lembrança desse local, com certeza) após a Copa de 98 ou então incentivar o uso dessas arenas para sediar jogos de rugby e principalmente futebol americano (com a ascensão do Torneio Touchdown), virarão verdadeiros "elefantes brancos", ou ainda do tratamento quase que debochado que a FIFA está dando a nós por conta de todo esse pessimismo todos os erros já cometidos na condução da organização do evento (vide o "pé na bunda" sugerido por Jerome Valcke), mas enfim, creio que o que disse hoje é o bastante para expressar a minha crítica ao ufanismo que se coloca acima do que é lógico e factual. E o pior, é algo "fabricado" e repassado pela mídia, infelizmente.

P.S.: Sim, achei o Ronaldo como "Tio Sam" brasileiro algo ridículo.

P.S. 2: Sim, confesso a vocês que até torço para o Brasil ser eliminado na Copa na primeira fase. Seria algo...Épico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva