Pesquisa sobre estresse em gerentes de projetos - alguns resultados


Bom dia pessoal. Ainda está "no forno" o post especial sobre dicas para que os alunos provenientes do puxadinho da unidade de São Francisco do IFES Campus Cariacica aproveitem melhor as facilidades (e as dificuldades) da nova sede em Itacibá. Até o final do dia, se minha overdose eletromagnética permitir (sim, o editor-chefe não é um completo de um desocupado e tem prova amanhã) encerro esse post. Mas enquanto isso, compartilharei com vocês uma matéria da Mundo Project Management sobre o nível de estresse em gerentes de projetos no Brasil. Confiram:

"Em Maio deste ano, promovemos em parceria com o Professor André Barcaui, uma pesquisa sobre como está o nível de estresse do gerente de projetos no Brasil[...]. A pesquisa contou com a participação de 711 pessoas. [...]

Sobre a pesquisa, dentre os respondentes, 76,93% foram homens e 23,07% mulheres, e apesar das mulheres serem minoria, quando comparada a média de ocorrência de estresse entre homens e mulheres, em média elas apresentam 2,08 vezes mais chances de sofrer com o estresse, constatação que surge corroborando com os dados da OMS, que estima que patologias ligadas aos estresse tem prevalência duas vezes maior em mulheres.

Quanto feita à comparação entre qual faixa etária existe maior incidência de estresse, identificou-se que  gerentes de projetos com menos de 50 anos tem 3,21 mais chances de estarem estressados, do que os acima desta faixa etária.



Tratando mais de questões ligadas a cuidados com o corpo, foi se feito o levantamento quanto à prática de exercícios físicos e a correlação destes com a incidência de estresse, tivemos as seguintes respostas: 44,59% declararam não praticar nenhuma espécie de atividade física, 28,69% praticam de um a duas vezes por semana, 21,52% de três a quatro vezes e apenas 5,20% praticam mais de quatro vezes, e a constatação é mais próxima ao senso comum, de que aqueles que praticam atividade física sofrem menos com o estresse, em uma razão 3,36 vezes menos.  A pesquisa também pode constatar que gerentes de projeto com uma alimentação saudável têm em média 2,28 menos ocorrências de estresse.

Dentre as áreas com maior onde existe a maior incidência da doença, a campeã foi a área de T.I., sendo que 50%  dos respondentes apresentaram o maior nível de estresse, a Engenharia foi segunda colocada com 42,86% dos engenheiros tendo reportado estarem estressados ou totalmente estressados.

Outro grupo onde a incidência de estresse é mais alta são os gerentes de projetos com 3 a 5 anos de experiência (48,18%) e entre os profissionais que trabalham mais de 8 horas por dia, sendo que profissionais que trabalham mais de 8 horas tem pelo menos 1,52 vezes mais chances de serem consumidos pelo estresse que aqueles que trabalham apenas 8 horas por dia.

Dentre os índices mais alarmantes da pesquisa, foram os indicadores quanto ao excesso de horas trabalhadas e a dimensão que o trabalho tem ocupado na vida do gerente de projetos, sendo que as seguintes afirmações foram selecionadas pelos respondentes: “eu frequentemente levo trabalho para casa à noite” (91%), “eu me pego pensando em problemas mesmo nas horas em que deveria estar relaxando”(84%), “tenho pouco tempo para outros interesses e hobbies fora do trabalho”(73%). [...]"

Fonte: Mundo Project Management, como anteriormente citada.

NOTA: De fato, deve ser estressante trabalhar uma profissão em que se precisa de um ajuste fino constante para que se otimize o tempo e os custos envolvidos num projeto (embora nem sempre isso é possível), apesar de que também deve ser recompensador para o gerente do mesmo ver um projeto administrado por ele ser finalizado e funcionando perfeitamente. Algumas inferências sobre o estudo do Professor Barcani:

1 - O fato da mulher se estressar mais em relação ao homem na atividade de gerenciar um projeto: seria porque ainda não se adaptaram completamente a uma profissão que há não muito tempo era quase que em sua totalidade, masculina?

2 - O peso da idade: honestamente eu esperava que as pessoas de mais idade se estressassem mais, mas também entendo o fato de que gerentes de projetos com mais de 50 anos se estressarem menos. O amadurecimento natural com a idade leva as pessoas em geral a ponderarem melhor sobre certos fatores, e creio que nessa profissão não deve ser muito diferente;

3 - A atividade física: apenas reiterando o que outras pesquisas já apontaram. Praticar exercícios físicos é uma forma de dissipar o estresse (só de imaginar que nos meus quase três meses de academia perdi quase 5 kg), melhorando sua qualidade de vida;

4 - TI e Engenharia como as áreas mais estressantes: Como no item 3, apenas corrobora com a lista das profissões mais estressantes. A propósito, clique AQUI para saber quais são;

5 - Jornadas de trabalho elevadas e maior estresse: Cai na mesma lógica dos itens 3 e 4;

6 - Sobre os índices alarmantes: Situações como essa são sinais de que não vai demorar muito para que o estresse do gerente de projetos acabe levando à instabilidade e até à improdutividade neste. Quando se chega a essas afirmações seria altamente recomendável que a empresa interviesse na situação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva