Verão 2012/13 com menos atrações no litoral capixaba


O verão na maior parte das praias capixabas promete ser de pouca agitação. Com a mudança de governos municipais, a agenda de shows e de atividades de lazer só deve ser definida depois que os novos prefeitos assumirem os cargos, em 1º de janeiro. E mais: em algumas cidades, até mesmo questões de infraestrutura, como contratação de guarda-vidas e cadastramento de ambulantes, só estarão organizadas no próximo ano.

O réveillon, até agora, só tem programação musical confirmada em três cidades: Anchieta, Guarapari e Vitória. Em Vila Velha, haverá apenas queima de fogos na Praia da Costa e na Ponta da Fruta. Essa também é a única garantia para as praias de Marobá, em Presidente Kennedy, e Jacaraípe, na Serra. Nas outras cidades do litoral, nem mesmo a queima de fogos foi definida.

Para o restante do verão, as equipes de transição dos prefeitos afirmam que estão preparando programação de shows e eventos esportivos, mas explicam que ela só poderá ser aprovada na próxima gestão. [...]

Infraestrutura

Mesmo com os shows da virada de ano confirmados, Guarapari ainda corre atrás da contratação de 120 guarda-vidas para o verão. Até o final deste mês, pelo menos, todas as praias deverão continuar sendo atendidas por apenas 26 guarda vidas, que, segundo moradores, só tem trabalhado pela manhã.

"Só temos visto alguns guarda vidas até as 13h. É um risco para quem toma banho, porque o mar costuma estar mais violento à tarde. Quem precisar de ajuda não terá ninguém para socorrer", diz o vendedor de coco da Praia do Morro, Carlos Antônio Avelar de Paula.

Na praia de Meaípe, parte do calçadão que caiu há cerca de três meses durante um temporal não tem prazo para ser reformada. No local, há pedaços de concreto soltos na beira da praia e estruturas metálicas expostas. Um poste que também foi arrancado depois das chuvas, porque corria risco de cair, continua ocupando parte da calçada. A prefeitura de Guarapari diz que abriu um processo administrativo para contratar uma empresa que fará os reparos, mas não informou quando isso deve acontecer.

Banheiros

Na Serra, os banheiros químicos só devem ser instalados em janeiro, pela próxima administração, e a contratação de 92 guarda-vidas ainda não foi concluída. Em Presidente Kennedy, no Sul do Estado, não há previsão de contratação de guarda-vidas nem de cadastramento dos ambulantes que poderão trabalhar nas praias durante a alta temporada.

Problemas novos convivem também com situações que há anos incomodam moradores e turistas. De Norte a Sul do Estado é comum encontrar canais cortando a areia das praias capixabas, que deságuam as águas das chuvas no mar. O problema é que, em grande parte deles, também há esgoto residencial indo parar na praia.

A situação é encontrada, por exemplo, em pelo menos dois pontos da Praia do Morro – a mais frequentada por turistas no Estado. Mesmo sendo proibido, alguns moradores do bairro continuam lançando seus resíduos domésticos na rede pluvial. O resultado é mau cheiro e desconforto para os banhistas, diz a mineira Virgínia Rodrigues, 32 anos, que frequenta o local há anos. "Reformaram todo o calçadão, mas esqueceram esse problema. É uma pena, porque poderiam ter valorizado ainda mais a praia", diz.

Segundo a prefeitura de Guarapari, desde 2008 a Secretaria Municipal de Meio Ambiente tem multado a população que insiste em lançar o esgoto na rede pluvial. Disse, ainda, que em outubro deste ano realizou uma reunião com a Cesan e Secretaria de Estado de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento (Sedurb) para discutir novas medidas de urgência para resolver o problema.

Ciclovia

Perto dali, na Praia das Castanheiras, a psicóloga carioca Patrícia Ribeiro Gonçalves, 26 anos, elogia a reurbanização da orla. Ela não frequentava Guarapari há dois anos e se surpreendeu com o que viu. "Os quiosques estão ótimos, mas faltou pensar em um espaço para os ciclistas, como há na Praia do Morro, porque o movimento do calçadão nessa época é muito grande", diz.

Patrícia conta que morou em Guarapari quando criança e que sempre adorou a tranquilidade do balneário fora do verão. "Gosto de correr no calçadão no final do dia, de comer um peixe no quiosque, mas também acho importante ter opções para sair à noite. Quem está na cidade e veio sem carro, como eu, acaba não tendo muito para onde ir", avalia. [...]

Fonte: A Gazeta

NOTA: Agora vocês entendem por que eu digo que a campanha de incentivo ao turismo feita pelo Governo do Espírito Santo é necessária, porém não suficiente?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva