A "jenialidade" que mata - IV: A espuma acústica comprada numa loja de colchões

(Fonte da imagem: G1)
Cada vez que se avança nas investigações quanto às causas da tragédia ocorrida na boate Kiss, em Santa Maria (RS), fica ainda mais claro o "show" de irresponsabilidades múltiplas que terminou na hecatombe ocorrida domingo passado. Segue abaixo a matéria do G1. Volto logo.

"A espuma usada para reduzir o ruído na boate Kiss foi comprada em uma loja de colchões de Santa Maria. A queima do material produziu a fumaça tóxica que, segundo a polícia, causou a morte da maioria das vítimas. O comerciante que vendeu o revestimento prestou depoimento à polícia, como mostra a reportagem do Jornal Hoje (veja o vídeo abaixo). No último domingo (27), um incêndio na casa noturna deixou 237 mortos.

Funcionários da Kiss encomendaram a espuma para usar no isolamento acústico da boate. O produto é vendido por R$ 30 o metro quadrado. As notas fiscais fornecidas pelo fabricante serão encaminhadas à polícia. "O rapaz que fez a reforma encomendou. Foram três lâminas", afirmou Flávio Boeira, proprietário da loja.

O comerciante diz que o uso deste tipo de espuma é comum e que já vendeu para igrejas e até consultórios dentários. Segundo Boeira, o material é conhecido como colchonete piramidal e também é usado em hospitais, principalmente para pacientes que ficam muito tempo internados.

"Como a gente pode se sentir? Completamente arrasado. Nunca soube que era proibido. Meu filho poderia estar lá, ele era frequentador assíduo. Minha mãe tem 86 anos e dorme em cima de um desses", disse. "Acredito que ninguém em sã consciência vai usar essa espuma como isolamento acústico", completou.

O material instalado, segundo o dono da boate, Elissandro Callegaro Spohr, foi sugerido por um engenheiro. Kiko, como também é conhecido respondeu a perguntas enviadas pela RBS TV dentro do hospital em que está internado em Cruz Alta, a 130 quilômetros de Santa Maria. Ele está sob custódia da polícia.

“Um engenheiro chamado Pedroso. Foi feito tudo. As opções eram: gesso, tá? Ou espuma. A espuma, eu achava horrível, muito feio. Eu optei pelo gesso. Porém continuou o barulho. Eu voltei a chamar o Pedroso, praa a gente trocar uma ideia, ver o que fazer. A gente botou espuma e madeira por cima. Concreto. E aí, por fim, espuma. Eles queriam que eu botasse espuma em toda a boate. Mas até que não precisou botar em toda a boate. Eu botei só no palco”, disse, em depoimento exclusivo ao Fantástico.

O engenheiro Miguel Pedroso negou ter aconselhado a colocação da espuma, que é altamente inflamável. “Eu tenho uma quantidade grande de projetos acústico. E jamais, em nenhum projeto, nenhum laudo acústico, eu aconselhei a utilizar espuma de borracha”. O engenheiro e o sócio da boate vão prestar novos depoimentos."

Voltei...

Fica cada vez mais claro, que não só a produção da banda Gurizada Fandangueira, mas os administradores da boate resolveram apelar para a "economia porca" para poderem tocar o negócio. E dá até para imaginar o nível de preocupação de alguém que vai a uma loja de colchões para comprar produto para revestimento acústico.

Sobre as declarações do comerciante, que disse que o uso de tal tipo de espuma é comum e que ela é vendida para igrejas e até consultórios dentários, isso mostra que o descaso e a falta de preocupação com a segurança por parte de certos estabelecimentos (comerciais ou não) é mais absurdo do que o imaginado. E se pensarmos que isso pode ser (e não me surpreenderia se fosse de fato) o modus operandi quando se trata de um projeto (tudo bem, chamar o que foi dito na notícia citada de projeto é muita generosidade) acústico não só a nível de Santa Maria mas a nível nacional, não estamos nem um pouco livres de repetir a trágica madrugada do último domingo de janeiro. E lembrando que a frequência de cultos ou de consultas numa semana é em geral muito maior que a frequência de shows numa boate. Também vale lembrar que em muitas cidades existem bem mais igrejas e consultórios dentários do que casas de shows.

Outro ponto que não pode passar batido é o fato de que o comerciante nunca soube que era proibido usar tal espuma como revestimento acústico. Talvez alguém diga "Ora, ele é vendedor de colchões, não é obrigado a saber disso". Pois é, são situações como essa que mostram que um simples conhecimento de instruções de segurança poderia ter salvo dezenas de vidas. E fica a pergunta, mesmo considerando que tal produto é vendido a granel: os fabricantes de tais produtos deixam, de forma clara, instruções quanto ao uso, bem como eventuais restrições? Se sim, quem comercializa isso se preocupa em expor tais instruções? E lembrando da mãe do comerciante, que tem 86 anos e dorme em cima da mesma espuma adquirida pelos proprietários da boate Kiss, imagine o perigo que ela corre em caso de incêndio...

Situações como essa são a prova de que estamos muito longe do ideal quando o assunto é a segurança e a manutenção da integridade física das pessoas que frequentam casas de shows, igrejas, consultórios, entre outros estabelecimentos que necessitam de isolamento acústico. Só espero que a onda de fiscalizações que veio após esta catástrofe não seja apenas pelo "calor do momento". Desde já, peço desculpas pelo pavoroso trocadilho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva