Aquecimento global reduz capacidade de trabalho em 10%

(Fonte da imagem: Exame)
À longa lista de fatores que prejudicam a capacidade de trabalho de uma pessoa, que vai de problemas de saúde a um simples desânimo, adicione mais um: o “estresse térmico”. Um estudo publicado na revista científica “Nature Climate Change” sugere que o aumento da temperatura global nos últimos 60 anos reduziu a capacidade de trabalho em 10%. [...]

Segundo os cientistas, o verão, marcado por picos no termômetro, é o período onde a queda é mais pronunciada, especialmente em países localizados em zonas tropicais.

Quem mais sofre são os trabalhadores de indústrias pesadas, construção civil, exército, agricultura e de regiões diretamente afetadas por eventos naturais extremos. Elaborada por um grupo da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), a pesquisa indica como zonas vulneráveis a região da Península Arábica, o Sudeste da Ásia, além do Norte da Austrália e o subcontinente indiano.

A previsão é de que o aquecimento global poderá prejudicar ainda mais a aptidão do trabalhador para desempenhar suas funções nas próximas décadas. De acordo com a pesquisa, a capacidade de trabalho em 2050 será reduzida a 80% do que hoje.

Não para aí. Dentro de dois séculos, por volta de 2200, a redução prevista é para 40% durante os picos de calor. E quanto menor for a capacidade de trabalho do trabalhador, menor será sua produtividade, em termos qualitativos e quantitativos.

Fonte: Exame

NOTA: Barnes* (1977) em seu livro sobre estudo de movimentos e tempos, dizia que a temperatura tem um certo efeito sobre o conforto físico, a produção e a fadiga do trabalhador. Stevenson apud. Peinado; Graemi** (2007) elaborou uma tabela na qual a temperatura (e a umidade) pode representar acréscimo de até 10% no fator de tolerância, que faz parte do cálculo do tempo-padrão de qualquer operação. Diante da situação apresentada pela matéria da Exame sobre o assunto, pode ser que as empresas tenham que se valer de mecanismos de controle de temperatura (entenda por climatizadores e aparelhos de ar-condicionado) de forma a pelo menos mitigar as perdas de produtividade de seus funcionários. Dias difíceis virão...

*: BARNES, R.. Estudo de movimentos e de tempos: projeto e medida do trabalho. 6ª ed. - São Paulo: Edgard Blücher, 1977.

**: PEINADO, J.; GRAEMI, A. R.. Administração da produção: operações industriais e de serviços - Curitiba: UnicenP, 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva