Governo lança plano para evitar caos aéreo

(Fonte da imagem: Exame)
O governo vai reforçar em 77 %, em média, as equipes dos órgãos públicos que atuam nos aeroportos brasileiros nas cidades em que será disputada a Copa das Confederações, de acordo com o plano do setor aéreo para o torneio divulgado nesta quinta-feira.

Entre outras medidas apresentadas para evitar problemas nos aeroportos durante a competição, que será disputada de 15 a 30 de junho, estão a criação de um centro de comando no Rio de Janeiro, regras para funcionamento do espaço aéreo, exercícios simulados de recepção dos diferentes públicos e estacionamento extra de aeronaves. [...] 

"É um treinamento para a Copa do Mundo, que terá uma expressão muito maior. A mesma filosofia da Fifa, que é fazer este evento, com um ano de antecedência, para testar estádio, mobilidade, esquema", afirmou Moreira Franco em entrevista coletiva.

"(O objetivo) é que nos preparemos no detalhe, para com isso garantir que não haja surpresas." A maior demanda ocorrerá nos aeroportos do Rio de Janeiro, que devem receber cerca de 47 mil passageiros para a final da Copa das Confederações.

Além do reforço de pessoal nos aeroportos fluminenses (Galeão e Santos Dumont), os órgãos públicos para os serviços e segurança serão aumentados nas outras cinco cidades que receberão partidas do torneio, como Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Salvador e Recife, além de São Paulo, que está fora da competição.

Durante a competição, a Força Aérea Brasileira (FAB) criará áreas de exclusão (reservada, restrita ou proibida) em determinadas porções do espaço aéreo brasileiro com tamanhos e acessos de níveis diferentes. O período de vigência das restrições será compreendido entre uma hora antes e quatro horas depois do início dos jogos da Copa das Confederações.

Desde que o Brasil foi escolhido para sediar grandes eventos esportivos, a Fifa tem manifestado preocupação com o setor aéreo, uma vez que o crescimento da demanda por aviação nos últimos anos revelou um gargalo na infraestrutura aeroportuária do país.

Para resolver o problema, o governo apostou no aumento de investimento da Infraero, que administra os aeroportos, e na concessão à iniciativa privada de alguns dos principais terminais. Os aeroportos de Brasília, Guarulhos (SP) e Viracopos (Campinas/SP) foram licitados no ano passado para empresas privadas, que têm obrigações de aumentar a infraestrutura a ser entregue até a Copa do Mundo.

Ainda neste ano, o governo pretende leiloar as concessões dos aeroportos do Galeão (Rio) e Confins (Belo Horizonte).

Questionado sobre a fama do "caos aéreo" no Brasil, o ministro disse que está "trabalhando" para evitar isso, citando planos de contingência, integração entre os governos estaduais e municipais, criação da Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero), obras em vários aeroportos brasileiros e concessões que serão lançadas em setembro para os aeroportos de Galeão e Confins. [...]

Fonte: Exame

NOTA: Vamos lembrar que estamos mais perto de um caos aéreo de proporções inéditas do que nós imaginamos. Expliquei isso num post do ano passado. Confira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou