África do Sul multa construtoras por fraudes em estádios da Copa

(Fonte da imagem: The Guardian)
A Comissão de Competição, órgão antitruste da África do Sul, multou ontem 15 empreiteiras do país num valor total de US$ 140 milhões após uma investigação sobre conluio envolvendo contratos de construção dos estádios para a Copa do Mundo de 2010.

A comissão investigou durante quase quatro anos 140 projetos nos setores público e privado e chegou a um acordo com 15 de 18 empresas, anunciaram membros do órgão. Fizeram parte da investigação a construção ou expansão de seis estádios, incluindo o da Cidade do Cabo, com capacidade para 68 mil espectadores, que custou cerca de US$ 450 milhões. [...]

"É a maior multa coletiva" dada a empresas na África do Sul, disse Shan Ramburuth, o presidente da comissão. "A indústria tem a oportunidade de seguir num caminho mais competitivo para o bem de todos nós e da própria indústria."

"A multa é um pouco menor do que o mercado estava esperando", disse Anashrin Pillay, analista da Stanlib Asset Management. Segundo ele, havia a "preocupação de que as empresas não fossem capazes de pagar sem comprometer o seu balanço". Para Pillay, a conclusão do processo foi um "alívio" para as empresas, já que o veredito pairava ameaçadoramente sobre o setor há algum tempo.

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Econômico, Ebrahim Patel, os reguladores antitruste identificaram 300 casos de comportamento irregular ou ilegal por companhias que venceram contratos num valor total aproximado de US$ 4,7 bilhões. Patel disse que as fraudes para combinar preços afetaram contratos tanto do setor público como do privado.


NOTA: O que foi feito pelos sul-africanos poderia servir de exemplo para se investigar a alocação de recursos para as obras da Copa do Mundo aqui no Brasil. Inclusive seria uma forma de se ouvir um dos anseios do gigante que acordou (só não espero que dessa forma).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva