Como o crescimento econômico afeta o desempenho das empresas

(Fonte da imagem: Valor Econômico)
Bom dia pessoal. No último sábado utilizei este blog para comentar sobre os fatos que marcaram a semana no Espírito Santo e no Brasil, abrindo com a expectativa dos bancos públicos (assim como o BC) de que o crescimento do PIB fique abaixo dos 2%. Hoje compartilharei com vocês uma matéria do Infomoney que fala sobre como o crescimento econômico pode afetar o resultado das empresas e suas ações. Voltarei para comentar.

"O Banco Central divulgou na sexta-feira (12) o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central) de maio, considerado prévia do PIB (Produto Interno Bruto). O índice mostrou que a economia brasileira registrou retração de 1,4% ante abril, o que representa o pior resultado mensal desde 2008. O resultado ruim foi pressionado pela fraqueza da produção industrial e indicou que a recuperação da atividade ainda não deu sinais consistentes.

De acordo com a diretora da Hirashima & Associados, Alessandra Guardia, os setores que mais perdem com uma prévia do PIB abaixo do esperado são os que fazem suas projeções baseadas no crescimento do país. Como o PIB é frequentemente utilizado como indicador nas projeções de aumento do faturamento das empresas avaliadas por fluxo de caixa descontado, as companhias do setor de varejo, cujo valor de mercado é muito influenciado pela expectativa de desempenho da economia, são prejudicadas - a projeção de um PIB fraco impacta o preço dos ativos destas empresas.

“Essas empresas fazem a sua projeção de faturamento, ou seja, de quanto vão vender em três anos, por exemplo, atreladas à expectativa do PIB. Se a expectativa não se concretiza, as empresas são prejudicadas”, afirmou a diretora.

Ainda segundo ela, a projeção do PIB era de crescimento de 3,5% a 4% ao ano em 2012, 2013, 2014 e 2015, e o ano passado veio 0,9%. “Obviamente que isso prejudicou muito as empresas. Se você tem uma expectativa e o PIB vem abaixo dela, isso reflete em todo o resultado da companhia”, completou.

'Mantega quebrou as expectativas dos investidores'

O analista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi, o PIB lembra que o mercado esperava um crescimento acima de 3% este ano, mas o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, já deu a entender que isso não vai se concretizar novamente, quebrando as expectativas dos investidores e prejudicando a bolsa de valores novamente. “A bolsa reflete não só a desconfiança do governo, como precifica o crescimento mais rápido das empresas e o crescimento ao longo do tempo. Ou seja, quando vem uma prévia do PIB como essas, não tem como as empresas não serem prejudicadas e, consequentemente, a bolsa também”, explicou o analista-chefe.

Segundo ele, vários setores sofrem com a desaceleração do PIB. "As siderúrgicas são um exemplo das mais prejudicadas. O setor de varejo também, pois ainda aumento de juros, inflação alta, endividamento das famílias, consumidor desconfiado e passeatas - que fecham o comércio. O setor perde com tudo isso", finalizou."

Voltei...

O Mantega pode até criticar o pessimismo do mercado, mas não vai ser com previsões fantasiosas (para variar) que conseguirá levantar os ânimos dos investidores, como explicada na matéria da Infomoney. Sobre o setor de varejo, destacado no último parágrafo, as expectativas de fato não são muito animadoras, como mostrado em um post do dia 04/06 neste blog, em que o percentual da renda familiar comprometida com dívidas já se aproxima de perigosos 30%. Ou o nosso Ministro da Fazenda abre mão de seu fantástico mundo, ou está na hora da presidenta Dilma despachá-lo para lá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva