Surpresa: PIB cresce 1,5% no segundo trimestre. Motivos para comemorar?

(Fonte da imagem: Exame)
O Produto Interno Brasileiro (PIB) a preços de mercado se expandiu 1,5% no segundo trimestre de 2013 em relação ao primeiro, na série com ajuste sazonal, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O PIB chegou a R$ 1,2 trilhão em valores de mercado.

O número veio acima da expectativa do mercado e é o maior crescimento trimestral do governo Dilma até agora. A segunda maior expansão havia sido no primeiro semestre de 2011, de 0,8%. No primeiro trimestre de 2013, o crescimento foi de 0,6%.

Dados

Todas as atividades econômicas cresceram. Os melhores resultados foram da agropecuária, com crescimento de 3,9%, e da indústria, que se expandiu 2%, com destaque para o setor da construção civil (3,8%).

A despesa do consumo das famílias subiu 0,3% e a do consumo da administração pública cresceu 0,5%. Os serviços cresceram 0,8%, com destaque para a expansão de 1,7% no comércio. 

Na comparação com o segundo trimestre de 2012, o PIB cresceu 3,3% - com destaque para agropecuária (13%), indústria (2,8%) e serviços (2,4%). As importações e importações tiveram aumentos de 7,9% e 6,3%, respectivamente.

O PIB cresceu 1,9% nos últimos quatro trimestres registrados, em comparação aos quatro trimestres anteriores. Na comparação do primeiro semestre de 2013 com o primeiro semestre de 2012, a expansão foi de 2,6%.

Fonte: Exame

NOTA: Em meio a um nevoeiro de notícias ruins sobre a economia brasileira, tal dado revela-se um alívio, especialmente para Guido Mantega, que nos últimos anos colecionou vários erros em suas previsões. Salvo isso não há nada de novo, e mais uma vez o setor agropecuário ajudando a tirar o PIB do estacionamento. Resta saber se isso será uma tendência ou se foi apenas um "ponto fora da curva". Diria que ainda é muito cedo para comemorar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou