Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2013

Clipping da Temporada de Inverno 2013 Minuto Produtivo

Imagem
A Temporada de Inverno 2013 do Minuto Produtivo, iniciada em 01/05, chega ao fim hoje. Infelizmente não foi possível entregar aos leitores deste blog tudo que foi prometido, por alguns motivos de força maior. Mas de qualquer forma nossa equipe fez o possível para trazer as melhores discussões dos mais variados assuntos por aqui. Sem mais delongas, segue a lista de links das postagens dos últimos cinco meses. E que venha a temporada 2014.

Maio
O lado ruim de ser bom (sim, ele existe!)
Rua de Lazer, Lazer na Orla, não importa...O que importa e que tenhamos mais iniciativas como essa
Especial: Superporto no ES - Por que ele seria melhor se fosse instalado fora da RMGV - Parte II: O projeto, seus prós e contras
A receita para pararmos com o PIBinho está a nossa frente. Há pelo menos dez anos...Ou: continuaremos culpando a "herança maldita"?
Murilo Ferreira: "Achar que nós vamos ter um cenário benigno para o Brasil [...] pode ser um pouco de ingenuidade"
Queda livre na indúst…

O Brasil está desperdiçando a chance de aproveitar melhor o gás?

Imagem
"Energia é um bem precioso demais para ser desperdiçado.” A frase, do americano Daniel Yergin, um dos maiores especialistas do setor de óleo e gás, foi seguida à risca nos Estados Unidos. Depois de exaurido o petróleo que brotava fácil das terras texanas, os americanos perseguiram meios de tornar mais valiosas as fontes de segunda linha, como o gás natural. E conseguiram.
A empreitada culminou na revolução energética que levou os Estados Unidos a espantar o mundo com o anúncio de que estão a 20 anos da autossuficiência em energia.
É uma revolução baseada no empreendedorismo e na tecnologia. Foram empresas de médio porte — as grandes estavam ocupadas em produzir petróleo, o filé-mignon do setor — que buscaram as técnicas para extrair gás de rochas mais profundas, como as de xisto, abrindo caminho para jazidas gigantes, antes inacessíveis.
O gás de xisto quadruplicou as reservas mundiais do combustível para o equivalente a 200 anos de consumo e baixou o preço nos Estados Unidos a …

Rodrik: "Não dá para salvar a indústria"

Imagem
Existem muitos debates sobre a questão da desindustrialização do Brasil (basta uma breve pesquisada com esses termos no Google para conferir). Alguns falam que isso de fato ocorreu, principalmente pela valorização que o real passou nos últimos anos (antes da onda de desvalorização atual), o que facilitou a entrada de produtos importados no país. Outros, como o Ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel, tal afirmação não faz sentido.
Hoje irei compartilhar com vocês uma entrevista da Exame com o economista turco Dani Rodrik, que em síntese, diz que o Brasil não conseguirá evitar o encolhimento do setor industrial. Para ele, esse encolhimento poderá ser apenas retardado. Segue abaixo a entrevista. Retorno mais tarde.
"O economista Dani Rodrik, que foi professor de economia durante 24 anos na Universi­dade Harvard até tro­cá-la, em julho, pelo Instituto de Estudos Avançados, com sede em Princeton, costuma dizer, com humor, que é um filho da política de substituição de importaçõe…

Quem pagará a conta do fracasso dos leilões de rodovias?

Imagem
As próximas semanas serão decisivas para o sucesso ou fracasso do Programa de Investimentos em Logística (PIL) do governo.
Após um atraso de mais de seis meses, a ideia era reservar os trechos considerados “filé” para dar um pontapé inicial positivo para os leilões de estradas. Deu certo com a BR-050, concedida para o Consórcio Planalto com deságio de 42% no pedágio, mas a BR-262 acabou ignorada e sem propostas.
O fiasco lançou uma sombra sobre as concessões, consideradas estratégicas para estimular a economia, restaurar a confiança do empresariado e começar a corrigir os gargalos da nossa infraestrutura.
O governo diz que fará uma reavaliação grande das propostas e que pode marcar o leilão de cada lote para uma data diferente para facilitar a vida do investidor.
"A estrutura jurídica e contratual em si está correta, tanto que deu certo com a BR-050. O governo precisa abrir mão das pequenas coisas, como a intransigência de que 100% das duplicações devem ser feitas em 5 anos – dep…

Impressões e opiniões sobre "Privatize Já" - Seção IV.b: Privatizem o mar

Imagem
Confira a primeira parte da resenha AQUI.Confira a segunda parte da resenha AQUI.Confira a terceira parte da resenha AQUI.Confira a quarta parte da resenha AQUI. Boa noite pessoal. Hoje utilizarei o Minuto Produtivo para dar sequência aos comentários sobre o livro Privatize Já, do economista Rodrigo Constantino, sendo que hoje será feita uma resenha dos quatro últimos capítulos da quarta parte do livro. Segue abaixo o resumo dos quatro próximos capítulos, e em seguida serão feitos os comentários.
Capítulo 25 - Educação pública na privada
O economista começa este capítulo falando de uma área que pelas palavras dele, dez entre dez brasileiros considera como solução para os males que assolam o país: educação. Em pleno século 21, uma sociedade que não consegue educar devidamente suas crianças e seus jovens está fadada ao fracasso. Boa parte da solução passa pela educação, mas não é por isso que o governo deve torrar dinheiro em escolas ruins.
Constantino começa a citar alguns dados, que mo…

Merkel ganhou, mas pode não levar

Imagem
A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, enfrenta a perspectiva delicada de persuadir os rivais da centro-esquerda a mantê-la no poder, após seu partido conservador ter obtido o melhor resultado eleitoral em mais de duas décadas, mas sem alcançar a maioria absoluta.
Mesmo os adversários políticos reconheceram que a chanceler foi a grande vencedora da primeira eleição alemã desde o início da crise de dívida da zona do euro, em 2010, levando a filha de um pastor da Alemanha Oriental ao papel de principal líder da Europa.
O bloco conservador de Merkel ficou com 41,5 por cento dos votos, o melhor resultado desde 1990 e apenas cinco assentos abaixo de obter maioria absoluta na câmara baixa do Bundestag (Parlamento) pela primeira vez em mais de meio século.
Os social-democratas (SPD, na sigla em alemão), com quem Merkel governou em uma "grande coalizão" bem-sucedida em seu primeiro mandato (2005-2009), terminaram em segundo lugar, com 25,7 por cento, pouco acima de se…

Ainda sobre o "risco DNIT" - Governo quer eliminá-lo...Na canetada? E adivinhe quem pode pagar a conta...

Imagem
Ontem fiz alguns comentários neste blog sobre o fracasso do leilão da BR-262 e as acusações do governo federal de que a bancada parlamentar capixaba havia feito jogo político no sentido de judicializar a questão. Disse que a questão não era apenas política, havia sim questões econômicas que poderiam tornar o contrato de concessão, seja com quem fosse, pouco atrativo. E mesmo que houvesse apenas motivos políticos, estes motivos não deveriam ser totalmente ignorados, uma vez que o Espírito Santo veio de uma recente onda de protestos que acabaram levando ao questionamento da concessão feita a Rodosol. Lembrando ainda que o modelo adotado para a rodovia que corta nossa Região Serrana é semelhante ao adotado para o trecho Vitória-Vila Velha-Guarapari-Meaípe da ES-060.
Hoje, o Valor Econômico mostra uma notícia na qual o governo pretende fazer ajustes na concessão das rodovias de forma que o "risco DNIT" deixe de existir. A questão é saber se a canetada irá convencer os empresári…

O fracasso do leilão da BR-262, o risco político e o "risco DNIT"

Imagem
Bom dia pessoal. Enquanto não sai a próxima parte da resenha do livro Privatize Já, do economista Rodrigo Constantino, irei comentar sobre a matéria que saiu no Valor Econômico sobre o fracasso do leilão da BR-262. Vale lembrar que neste blog disse que o modelo de concessão proposto para a rodovia que corta a região serrana capixaba tinha praticamente todos os elementos para que NÃO fosse o modelo a ser seguido em concessões rodoviárias. Segue abaixo a notícia. Volto para comentar.
"O "risco Dnit" foi um dos fatores decisivos para o fracasso do leilão da BR-262 (MG-ES), que não recebeu nenhuma oferta, segundo empresas inicialmente interessadas na disputa. Para o governo, que ficou perplexo com a ausência de propostas, a explicação é política e não tem nada a ver com a viabilidade econômica da concessão.
O Palácio do Planalto avalia que houve "intimidação" às empreiteiras, por parte de políticos do Espírito Santo, que teriam advertido nos bastidores sobre a poss…

Correio britânico será privatizado. Por que não fazer o mesmo com nossa ECT?

Imagem
O governo britânico anunciou nesta quinta-feira a privatização do serviço postal Royal Mail com uma entrada de capital na Bolsa de Londres nas "próximas semanas".
Esta é a privatização mais importante no país desde o período dos governos conservadores de Margaret Thatcher e John Major. A privatização dos correios britânicos havia sido anunciada em julho no Parlamento pelo ministro do Comércio, Vince Cable. O governo não revelou a proporção do capital que oferecerá aos investidores privados, mas informou que 10% do capital será distribuído gratuitamente aos funcionários do Royal Mail. As 11.500 agências do Royal Mail, reunidas em uma sociedade distinta, Post Office, permanecerão como propriedade do Estado britânico. "É um dia importante para o Royal Mail, seus funcionários e clientes", afirma Cable em um comunicado.Segundo a imprensa, 51% do capital do Royal Mail representa quase três bilhões de libras. O Royal Mail, fundado em 1516, é uma das empresas de correios …