Porter: "salto do Brasil vem de fatores externos"

(Fonte da imagem: Imaginatik)
Um dos mais influentes economistas do mundo, o americano Michael Porter considera até "saudável" a desaceleração brasileira e atribui o avanço recente do país mais à bonança externa do que aos feitos domésticos.

"Talvez o Brasil não devesse estar tão orgulhoso do crescimento, porque parte dele pode ter sido resultado do boom das matérias-primas, e não que tudo estivesse maravilhoso", disse à Folha, em passagem por São Paulo.

Embora considere que a política econômica esteja na direção certa, Porter citou decisões governamentais que, a seu ver, emperram o crescimento, como barreiras comerciais e intervenções em setores escolhidos.

"Entendo que aqui haja uma visão mais à esquerda, porém mesmo em países como Suécia e Dinamarca [com forte presença estatal] se reconhece que proteções concedidas a setores individualmente geram ineficiência."

O economista acredita, contudo, que o Brasil vai se recuperar em alguns anos e afirma que parte do mal-estar atual se deve deve a novas --e crescentes-- expectativas da camada da população que ascendeu da pobreza e agora quer mais.

"Esse é um momento típico de transição", disse. "Recomendo que usem esse período para aclarar as deficiências, não apenas no campo econômico mas também no social", afirmou.

Referência no mundo corporativo, o professor da Harvard Business School é autor de 18 livros, a maioria sobre estratégia e competitividade.

É também estudioso do desenvolvimento econômico, aspecto que o trouxe ao Brasil para apresentar um novo índice, formatado por ele, para medir o sucesso das nações do ponto de vista social.

O Brasil foi classificado em 18º entre os 50 países que compõem o Índice de Progresso Social, iniciativa da fundação Social Progress Imperative (que reúne Deloitte, Cisco e as fundações Skoll e Avina).

A posição deixa o país à frente de seus parceiros de Brics (Rússia, Índia, China e África do Sul) e em quarto lugar na América Latina, atrás de Costa Rica (12º), Chile (14º) e Argentina (15º).

Para Porter, o Brasil está "muito bem" no ranking, em que países ricos aparecem no topo, e pobres, na lanterna.

O índice, contudo, não inclui dados econômicos, como seus semelhantes --o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), por exemplo.

"Quando se põem dados econômicos ao lado de sociais, não se sabe o que é causa e o que é consequência."

O cálculo tem 52 quesitos, como tolerância étnica (o Brasil é o 1º colocado) e religiosa, respeito a homossexuais e mulheres e segurança (o país é o 46º, sua pior colocação).


NOTA: Não sei se eu também diria que a desaceleração da economia brasileira é "saudável" (com certeza eu diria "inevitável"), mas Porter reafirma o que já foi dito neste blog várias vezes (confira um post do dia 07/05): ganhamos um bilhete premiado, mas ao que tudo indica, estamos jogando (ou perto de jogar) a recompensa fora. Pior: sem ao menos "investir" essa recompensa em áreas que poderiam garantir nossa sustentação econômica sem esse "bilhete".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva