Quem pagará a conta do fracasso dos leilões de rodovias?

Trecho da BR-262, entre MG e ES. (Fonte da imagem: Exame)
As próximas semanas serão decisivas para o sucesso ou fracasso do Programa de Investimentos em Logística (PIL) do governo.

Após um atraso de mais de seis meses, a ideia era reservar os trechos considerados “filé” para dar um pontapé inicial positivo para os leilões de estradas. Deu certo com a BR-050, concedida para o Consórcio Planalto com deságio de 42% no pedágio, mas a BR-262 acabou ignorada e sem propostas.

O fiasco lançou uma sombra sobre as concessões, consideradas estratégicas para estimular a economia, restaurar a confiança do empresariado e começar a corrigir os gargalos da nossa infraestrutura.

O governo diz que fará uma reavaliação grande das propostas e que pode marcar o leilão de cada lote para uma data diferente para facilitar a vida do investidor.

"A estrutura jurídica e contratual em si está correta, tanto que deu certo com a BR-050. O governo precisa abrir mão das pequenas coisas, como a intransigência de que 100% das duplicações devem ser feitas em 5 anos – dependendo da demanda, poderia ser em 10 ou 15”, defende Eduardo Padilha, especialista em Infraestrutura do Insper.

Para o presidente da Associação Brasileira de Logística, Pedro Francisco Moreira, o problema é mais de pressa do que de prazo: “Houve um atropelo para mostrar os planos, e quando eles caíram nas mãos dos consórcios, alguns vazios foram encontrados. O retorno de investimento está sendo questionado, mas havendo vontade política e redução da burocracia, os prazos são possíveis.”

Padilha não acha que a taxa de retorno seja um obstáculo: “O problema não é ser 7% de lucro, o problema é que a conta não fecha. É preciso fazer os estudos de forma conservadora. No lote da BR-262, o governo subestimou os investimentos e fez exigências maiores do que cabia naquela tarifa.

Para Pedro Moreira, nosso histórico e o momento não são ideais: “Já não somos a bola da vez em investimentos. As nações bem sucedidas veem logística como uma questão de longo prazo – de estado, não de governo. O Brasil é muito bom em criar e formatar planos, mas não em executá-los.”

Obras públicas

Nesta quarta-feira, o ministro da Fazenda Guido Mantega apresenta o seminário “A Oportunidade de infraestrutura do Brasil” para investidores em Nova York. Enquanto isso, o governo sinaliza que se não houver solução para o impasse, pode retomar as obras para si. [...]

Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada ontem, a ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann reafirmou que é possível que alguns trechos saiam do plano: “Se chegarmos à conclusão de que é impossível fazer concessão, vamos migrar para obra pública.”

Nesse caso, os recursos viriam do Tesouro: “pode acontecer, mas seria uma pena. Como o governo licita sem projeto executivo, gasta mais caro desse jeito, e ele sabe disso – tem sempre os aditivos de contrato, o grande problema da obra pública”, diz Padilha. [...]

De um orçamento total de R$ 25 bilhões, o total previsto para investimentos do Ministério dos Transportes em 2013 era de R$ 15 bilhões. Até agora, já foram empenhados 7,4 bilhões - o equivalente a 47%. De 1997 a 2012, o investimento no setor rodoviário mais do que quadruplicou de tamanho.

Por meio de sua assessoria, o Ministério dos Transportes afirma que "o governo não pretende retirar nenhum lote do Programa de Investimentos em Logística." O próximo trecho no calendário, da BR-101 na Bahia, já tem edital publicado e deve ir à leilão no dia 23 de outubro.

Fonte: Exame

NOTA: Como vocês sabem, a questão as concessões rodoviárias já foi exaustivamente tratada neste blog nos últimos meses (alguns links serão disponibilizados abaixo para quem quiser conferir), mas a matéria da Exame deixa bem claro sobre quem irá pagar a conta (para variar): você, contribuinte, caso o governo tenha que recorrer à obra pública caso os leilões das concessões rodoviárias fracassem (em algumas situações, graças às condições infactíveis impostas pelo próprio governo, como no leilão da BR-262).

Também fica cada vez mais evidente que o governo federal está pagando o preço de ideologizar a discussão e as ações em torno de um tema tão crucial para o desenvolvimento do país: a infraestrutura. Após vários anos adotando um discurso resistente a uma maior participação da iniciativa privada, seria uma surpresa e tanta que esta não visse com ares de desconfiança uma "abertura" do governo nesse sentido, e lembrando que os modelos atuais de concessões ainda apresentam uma forte interferência do estado.

E como dito neste blog várias vezes, espero que essa política de concessões que o governo quer implantar dê certo (apesar de que defendo uma revisão em alguns pontos, como o tempo necessário para a duplicação e o fim dos subsídios cruzados), uma vez que o fracasso disso poderá levar a uma solução ainda mais cara, com efetividade no mínimo duvidosa e que pode ser incapaz de evitar uma "década perdida" para o Brasil.

Confira:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva