Por que Angela Merkel está no caminho certo?

(Fonte da imagem: The Huffington Post)

Texto originalmente publicado por Arthur Rizzi [1] no Tartaruga Democrática. A partir de 5 de janeiro ele estará oficialmente integrado à equipe de editores do Minuto Produtivo.


Muito se tem criticado as medidas de austeridade tomadas pela Alemanha, pois o crescimento da região tem sido baixo, ao passo que Obama aumentou gastos e a economia americana registrou boa recuperação.

Estaria Merkel errada? Não.

O que Merkel propõe é que não seja o governo, através de um quantitative easing, a criar uma nova bolha econômica disfarçada de crescimento. É verdade que as taxas de crescimento econômico na UE tem sido baixas, mas isto se deve mais aos embargos entre o bloco econômico europeu e a Rússia.

Segundo notícia recente, Merkel consagrou o Plano Juncker no Bundestag, que prevê redução da dívida e ortodoxia fiscal. Isso não significa, entretanto, que o governo deixará de investir em infraestrutura, pelo contrário, a taxa de investimento aumentará 0,3% em relação a 2014. Para Merkel o investimento responsável só é possível com responsabilidade fiscal.

A Federação das Indústrias Alemãs sinalizou de maneira positiva para o pacote dos democratas cristãos. Isso é uma das causas da melhora da avaliação do clima de negócios na Alemanha, embora o petróleo barato também conte como um fator de estímulo. O indicador saltou de 104,7 pontos para 105,5 pontos.

A inflação está estável na Alemanha, e, com o aumento dos salários, corte de impostos e o petróleo a baixo preço, deve haver impulso para o consumo e o crescimento econômico nos próximos anos (ver segundo link aqui), sendo que a partir de 2016 é possível que a Alemanha volte a decolar.

O fim dos embargos entre UE e Rússia deverá potencializar o crescimento de toda a região, especialmente da Alemanha, o que será bom a todos os cidadãos.

[1] - O editor-chefe se reservou ao direito de efetuar revisões no texto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva