O "pimpolho" brasileiro ainda não descobriu o que é o dinheiro

(Fonte da imagem: Futura Press)
Um dos grandes temas de debate nas últimas eleições foi sem sombra de dúvidas a inflação. No Brasil a inflação sempre foi um problema sério, e quem viveu antes do Plano Real sabe bem o quanto isso é verdadeiro. Os jovens de hoje não fazem ideia do que é a inflação e por vezes desmerecem as próprias conquistas da década de noventa. A inflação é um fenômeno político e monetário... Moeda, dinheiro.

Pior que não saber o que é a inflação, o jovem brasileiro, não obstante todas as trocas de moeda que tivemos e todos os surtos inflacionários que nos assolaram em nossa história, ainda não sabe o que é o dinheiro e de onde ele vem. Não, não vou contar a história do dinheiro, os interessados em sabê-la podem comprar o excelente livro do historiador da economia Niall Ferguson "A ascensão do Dinheiro".

A evidência mais frontal disso que falamos é o sempre presente e sempre estúpido Movimento Passe Livre, que foi muito bem esmagado pelo meu amigo Marcos Junior. Uma mistura ridícula de petismo, anarquismo black bloc, psolismo e frases de efeito de senso comum que é muito útil à quem tem testosterona de sobra e cérebro em falta. Não é preciso ser mais inteligente que um babuíno para saber que governo só tem duas fontes de recursos, que no fundo são a mesma coisa. Essas fontes são imposto e dívida pública. Porque ambas são a mesma coisa? Porque independente de qual seja escolhida, você pagará via imposto; a diferença entre ambos os caminhos é apenas de tempo. O imposto é a facada que você levará agora, ao passo que a dívida pública é a facada que seu filho vai levar no seu lugar. Ao pedir passe livre, o "pimpolho black bloc arruaceiro" está pedindo mais impostos. Só isso. Ao invés de pagar pelo transporte que usa, o pimpolho da USP quer que todos contribuintes (quer usem ônibus ou não) paguem um político, para que o político pague pra ele andar de graça com o dinheiro dos outros... Não muito diferente daquele cunhado mala a quem você pediu pra contribuir com o churrasco levando parte das cervejas, e que chegando lá, leva uma grade de Cintra e ainda tem desplante de beber a sua Heineken.

Mas, suponhamos que, por algum milagre, o "pimpolho comunacho" não queira mais impostos. O que ele quer afinal? Que o governo imprima dinheiro como quem imprime notas falsas de banco imobiliário pra jogar com os amiguinhos. Mal sabe ele que no Brasil as UF's e municípios não podem emitir títulos públicos.

O brasileiro ainda vive naquele mundo onde existe a crença de que se imprimirmos mais dinheiro todos ficarão magicamente mais ricos e o mundo será melhor, e que inflação na verdade é apenas a ganância dos ricos querendo extrair mais dinheiro do bolso do pobre. Um estrangeiro desavisado que passe por aqui, e que olhe o brasileiro mais de perto acha que nosso país nunca deve ter tido problemas com inflação em sua história, afinal, só assim para que um povo aja como quem desconhece o problema e suas causas. Ao contrário, a inflação é um problema desde que nos tornamos independentes, como mostra Celso Furtado em "A Formação econômica do Brasil", está presente em nossas vidas torrando nossos gloriosos sacos:
"A forma de financiar o deficit do governo central com emissões de papel-moeda e elevação relativa dos preços dos produtos importados - provocada pela desvalorização externa da moeda - incidiam particularmente sobre a população urbana. A grande classe dos senhores agrícolas, que em boa medida se auto-abasteciam em seus domínios e cujos gastos monetários o sistema de trabalho escravo amortecia, era relativamente pouco afetada pelos efeitos da emissão de papel-moeda. Esses efeitos se concentravam sobre as populações urbanas de pequenos comerciantes, empregados públicos e do comércio, militares, etc. Com efeito a inflação acarretou um empobrecimento dessas classes, o que explica o caráter principalmente urbano das revoltas da época [...]" (1979, p.97)
E por fim, caro leitor, chegamos àquelas verdades incômodas que o "pimpolho quebrador vidraças" não conseguiu entender.

Imprimir dinheiro = Inflação

Imposto = Menos dinheiro no seu bolso e mais dinheiro no bolso do governo de São Paulo.

Dívida pública = Imposto.

Imposto = aumento dos preços.

Inflação = aumento de preços.

Embora imposto não necessariamente gere inflação, e que não sejam fenômenos intimamente interligados; aqui no nosso amigável país, a dívida pública sempre extrapolou todos os limites da sandice durante a história, levando ou a mais impostos ou a mais inflação. E o "pimpolho rebelde do cornetto" sinceramente acha que está beneficiando os pobres em sua nobre causa popular da classe média uspiana. Haja saco!

A inflação sempre foi contra os pobres e nunca deixará de ser. Assim como o imposto excessivo sempre será favorável a Estado que você odeia "black bloc choroso", e não a você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

Desenvolvimentistas, uma vez mais, câmbio desvalorizado não desenvolve país!

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva