Ponte para Teramérdia

Não, não é desse filme que estamos falando. (Fonte da Imagem: Supercine Online)
O governo tanto fez e ao mesmo tempo tanto não fez que a cada minuto que passa o país se aproxima mais dos portões do inferno, e para nosso infortúnio, cada vez mais os gritos de terror das almas torturadas no caos econômico se fazem audíveis e se mesclam com as risadas sádicas dos demônios da crise profunda. Nada - repito - absolutamente NADA do que estamos passando agora era necessário passar. O governo fraudou informações, destruiu a Lei de Responsabilidade Fiscal, gastou demais, se valeu de truques eleitoreiros como o falso pagamento da dívida externa com o FMI (pagamento de uma dívida com 4,5% e juros anuais através de um endividamento interno com valor de 7%, que hoje, atinge 14,25%), os preços represados...Enfim, o festival de besteiras iria inevitavelmente cobrar seu preço. 

E cobrou!

E doeu!

Como se fosse um dedicado engenheiro, o governo construiu com perfeccionismo ímpar a sua ponte para Teramérdia, lugar que ao invés de guerreiros, fadas, princesas e monstros falantes, existe apenas merda falante. Se você já acompanhou um discurso dos luminares do governismo (a começar pela presidente da república e seus discursos vergonhosos) você sabe bem do que estou falando. Para ser curto e grosso: se trata de coliformes fecais falando merda. Até mesmo Joaquim Levy que entrou no governo com discurso liberal está aí falando merda. O resultado desse governo de merda não poderia ser outra coisa que não a merda propriamente dita e encarnada como Idéia-Fato, para parafrasear o esquisito porém inteligente Plínio Salgado.

O caminho cada vez mais parece desastroso. Eu apostei outrora que o FED não subiria a taxa de juros, porém a excelente análise do Financista me fez repensar essa ideia. Ou o FED sobe os juros inaugurando o caos infernal, ou será forçado a isso mais tarde, de maneira muito mais lenta, porém não menos danosa a nossa combalida economia que deverá estar em 2016 tão ruim quanto em 2015.

Nesse cenário o governo tem três alternativas para conter o problema, são elas:

1- Ou o governo se endivida junto ao FMI para conter o dólar, que vai bater 4,50 em questão de uma ou duas semanas com o FED subindo a taxa de juros.

2- Ou o governo queima através de swaps cambiais a suas reservas, o que pode dar certo nos primeiros momentos, mas considerando-se que de onde se tira e não se põe, se acaba, não me parece uma ideia sensata. Ou...

3- O governo retorna ao cambio fixo.

Nenhuma das três opções precisa ser tomada necessariamente sozinha e é em provável que o governo decida fazer um "coquetel" de medidas pra conter a fúria das merdas de Teramérdia. Por outro lado, se depender do bloco de esquerda liderado por Belluzzos e Mantegas, há o risco de se tomar a terceira medida como principal. Daí podem acreditar, a dívida pública vai explodir como uma ogiva nuclear e a inflação vai ficar reprimida, mascarada por um sistema burro, empurrando o ápice do caos mais para frente no tempo.

Teramérdia...Ei-la a frente. Bem-vindos a ela. Abandonem a esperança todos vós que aqui entrais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não, Juan Arias. Dilma não se transformou

Dando-se tempo ao tempo: cadê as vantagens do porto de Mariel?

ENEM 2015 e o orgasmo da esquerda festiva